“Eis que se manterá um registro”

POSTED BY: holzapfel

01/26/09


Joseph Smith recebeu uma revelação durante as reuniões da organização da Igreja de Cristo em Fayette, Estado de Nova York, em abril de 1830, como mostra o quadro de William Whitaker, O Profeta Joseph Smith recebe uma revelação. Nesta revelação o Senhor disse a Joseph Smith: “Eis que um registro será escrito entre vós” (Doutrina e Convênios 21:1). O Profeta passaria o restante de sua vida procurando cumprir este mandamento, proporcionando-nos narrações históricas que registraram os eventos relacionados ao surgimento da Igreja de Jesus Cristo nestes últimos dias.A seção 20 de Doutrina e Convênios representa uma das tentativas primordiais de gravar estes acontecimentos. Embora grande parte dos materiais deste documento inspirado fossem recolhidos ao longo de um período de doze meses, “a versão atual que se encontra em Doutrina e Convênios, seção 20, foi escrita no dia 10 de abril de 1830” (Robert J. Woodford, “Discoveries from the Joseph Smith Papers [Descobertas do projeto Escritos de Joseph Smith],” em The Doctrine and Covenants: Revelations in Context [Salt Lake City e Provo, UT: Deseret Book e Religious Studies Center, Brigham Young University, 2008], 29 [Também disponível em língua portuguesa neste site]).

A seção 20 cita extratos da Primeira Visão que se realizou na primavera de 1820: “Depois de haver sido verdadeiramente manifestado a este primeiro élder [Joseph Smith, vide versículo 2] que ele recebera a remissão de seus pecados” (Doutrina e Convênios 20:5). A maioria de nós conhecemos o relato da Primeira Visão, escrito em 1838, um dos dez relatos registrados durante a vida de Joseph Smith, que enfatiza a busca da Igreja verdadeira por ele mesmo. Porém, uma versão mais antiga se acha na narrativa autobiográfica de Joseph Smith escrita em 1832 que enfatiza a busca de misericórdia e perdão por parte do jovem. Ele escreveu em sua própria letra: “Clamei ao Senhor a misericórdia pois não havia mais ninguém a quem eu pudesse me recorrer para obter misericórdia; e o Senhor ouviu meu clamor no deserto e enquanto eu estava invocando o Senhor, no décimo sexto ano de minha vida, uma coluna de luz acima do brilho do sol ao meio dia desceu do céu e pairou sobre mim e enchi-me do espírito de Deus e o Senhor me abriu o céu e vi o Senhor e ele me falou, dizendo: “Joseph, meu filho, teus pecados são te perdoados” (The Papers of Joseph Smith, Vol. 1, Autobiographical and Historical Writings[Os escritos de Joseph Smith, Volume 1, Escritos autobiográficos e históricos], redação de Dean C. Jessee (Salt Lake City: Deseret Book, 1989), 6.

Logo em seguida, a seção 20 menciona que no período de 1820 a 1823: “Ele outra vez se amaranhou nas vaidades do mundo” (Doutrina e Convênios 20:5). A história publicada de Joseph Smith nos dá mais detalhes: “Fui abandonado a toda sorte de tentações; e, misturando-me a todo tipo de gente, caí frequentemente em muitos erros tolos, exibindo as fraquezas da juventude e as debilidades da natureza humana; o que, sinto dizer, levou-me a tentações diversas, ofensivas à vista de Deus. Ao fazer esta confissão, ninguém deve crer-me culpado de quaisquer pecados grandes o malignos. . . Fui culpado de leviandades e, às vezes, andava com companhias joviais, etc., o que não condizia com a conduta que devia ser mantida por uma pessoa que fora chamado por Deus, como eu” (Joseph Smith—História 1:28).

O relato da seção 20 passa daí para a oração de Joseph em setembro de 1823: “Mas depois de arrepender-se e humilhar-se sinceramente, pela fé, Deus abençoou-o por meio de um santo anjo cujo semblante era como relâmpago e cujas vestes eram mais puras e brancas do que qualquer outra brancura; e deu-lhe mandamentos que o inspiraram” (Doutrina e Convênios 20:6-7). O anjo foi Morôni, que abriu um novo capítulo na vida de Joseph.

A próxima referência histórica é a de 22 de setembro de 1827, quando Morôni entregou as placas e intérpretes nefitas a Joseph e “deu-lhe poder do alto, pelos meios que antes haviam sido preparados, para traduzir o Livro de Mórmon” (Doutrina e Convênios 20:8).

A escritura logo se refere à experiência de junho de 1829 quando as Três Testemunhas (Martin Harris, David Whitmer e Oliver Cowdery) viram as placas através de um mensageiro celeste e foram instruídos a preparar o testemunho que hoje se encontra impresso no Livro de Mórmon, “o qual foi dado por inspiração e é conferido a outros pelo ministério de anjos, sendo por eles proclamado ao mundo” (Doutrina e Convênios 20:10).

O acontecimento mais recente que se menciona na seção 20 ocorreu no dia 6 de abril de 1830, “o surgimento da Igreja de Cristo neste últimos dias” (versículo 1). Assim a seção 20 proporcionou aos primeiros membros e missionários um esboço dos eventos principais que conduziram à organização da Igreja de Jesus Cristo nestes últimos dias.

Post tags:

“Uma grande mudança para 2009”

POSTED BY: holzapfel

01/09/09


Neste ano novo haverá uma grande mudança demográfica no planeta Terra. Até o fim do ano, pela primeira vez na história do mundo, mais seres humanos viverão em áreas urbanas do que em áreas rurais. Até o fim de 2009, mais de três bilhões de pessoas morarão em cidades, um terço destas em favelas (vide as fotografias comoventes de Caracas, Venezuela, de Jonas Bendiksen; usadas com licença da Magnum Photos). De acordo com a Repartição de População do Departamento de Assuntos Socio-econômicos da Secretaria das Nações Unidas, a porcentagem da população global que morava em áreas urbanas em 2005 era de 48,6 por cento. Até 2010 a população urbana crescerá para 50,6 por cento. Em verdade: “Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.” (Eclesiastes 3:1). À medida que a história humana se desdobrar, esta transição assinalará uma nova época cheia de novos desafios junto com muitas oportunidades novas.

Nos tempos antigos, muitos eventos bíblicos ocorreram em áreas rurais. Por exemplo, em geral, Abraão, Isaque e Jacó eram homens do campo que moravam na redondezas das vilas e cidades. Embora Abraão tenha plantado um pomar em Berseba, não morava na cidade de Berseba. De forma semelhante aos beduínos que vivem nos desertos e terras bravas dos países do Oriente Médio, Abraão vivia à beira da sociedade urbana daquela região.

De igual modo, Jesus se criou em Nazaré uma aldeia rural de duzentos a quinhentos habitantes. Durante a maioria de seu ministério ele evitava as grandes cidades da Terra Santa, tendo visitado Jerusalém na época da festa de peregrinação porque era o local do templo. O nome da segunda cidade da região, Séporis, nem aparece nos quatro evangelhos (Mateus, Marcos, Lucas e João). Na Galiléia, Jesus não passou pelas grandes cidades de Tibério e Cesaréia de Felipe embora tivesse visitado as costas de Cesaréia de Felipe (vide Mateus 16:13).

No início da restauração, o Senhor começou a expandir sua obra nas regiões rurais da América do Norte. Durante os eventos fundamentais da Restauração, a família Smith morava no Município de Manchester, que nem chegava a ser uma aldeia. A Igreja foi organizada numa fazenda no Município de Fayette.

Foi somente após a sua chamada proféitica que o Profeta se tornou urbanita. Como escreveram Richard L. Bushman e Dean C. Jessee: “Em pouco menos de seis meses depois da organização da Igreja, ele mandou missionários para localizar um sítio para a construção da cidade que as revelações chamam ‘a Cidade de Sião’ ou ‘a Nova Jerusalém’” (Joseph Smith Papers, Volume 1(Escritos de Joseph Smith, Volume 1) [Salt Lake City: Church Historian’s Press, 2008], xxiii). O Profeta “se dedicou inteiramente a cidades e templos. Esta visão o impulsionava até o fim de sua vida; e depois de sua morte esta mesma visão inspirou a colonização Mórmon da região da Grande Bacia do oeste norte-americano” (xxiii). Eles concluem: “Construir cidades se tratava de uma missão estranha para uma pessoa que se criou nas aldeias rurais da Nova Inglaterra e do Estado de Nova York” (xxiv).

Por que esta mudança para cidades? Estes lugare de coligação proviam locais centralizados onde se podia organizar a Igreja e erguer templos para que “a plenitude do sacerdócio” pudesse ser restaurada (vide Doutrina e Convênios 124:28). Outra vez Bushman e Jessee observam que o Profeta se involveu em numerosas atividades, mas “a edificação de cidades, o sacerdócio e templos estava ao centro destes trabalhos (xxv).

Hoje em dia a Igreja moderna geralmente estabelece as sedes de missão nas cidades principais das nações. Logo os templos são construídos nos locais que dão maior acesso ao maior número possível de membros. Ao passo que a demografia do mundo muda para o mundo urbano, continuaremos a pregar nestes centros urbanos e erguer templos a fim de que muito mais filhos de Deus possam receber as bênçãos do evangelho de Jesus Cristo.

Post tags: