Semana de Educação da BYU

POSTED BY: holzapfel

08/14/09


Blog do convidado especial Brent L. Top, professor de história e doutrina da Igreja, BYU.

Um milagre ocorre todo agosto em Provo. Já o vi com os próprios olhos. De fato, não fui só observador como também participante. O milagre é a Education Week (Semana de Educação) aqui no campus. A Brigham Young University se transforma de um dia para outro. Todos os anos, durante uma semana, as salas de aula que normalmente se enchem de jovens adultos de repente se enchem de vovozinhas e vovozinhos de cabelo grisalho, mães cansadas contentes em ter um tempinho para si mesmas, jovens emocionados procurando novos amigos e papais de carteira já vázia ao ter garantido que todos se divertissem. Os estacionamentos se enchem de trailer e os hoteis da região ficam lotadas de famílias que assistem às aulas, aos concertos e peças e a outras atividades. O leque de aulas é tão variado como as idades, feições e condições de vida dos participantes. Para cada estudante, seja um moço de quatorze anos admirado de ter pisado no campus de uma universidade pela primeira vez, ou para uma velhinha de noventa anos que nunca deixou de assistir às aulas da Semana de Educação e até, às vezes, nem parou para almoçar, há algo que possa expandir a mente, fortalecer o espírito e consolar a alma.

Este milagre reflete o profundo compromisso dos Santos dos Últimos Dias ao conceito de educação contínua, compromisso este que se baseia nas revalações da Restauração e nos ensinamentos dos profetas modernos. A educação contínua tem benefícios tanto temporais como espirituais, sim, benefícios que nutrem nossa vida terrena e nos abençoaraão por toda a eternidade. É-nos ordenado: “Buscai diligentemente e ensinai-vos uns aos outros palavras de sabedoria” (D&C 88:118). Também devemos buscar conhecimento “em teoria, em princípio, em doutrina, na lei do evangelho, em todas as coisas pertencentes ao Reio de Deus, que vos convém compreender” (D&C 88:78). Ademais, devemos aprender “tanto as coisas do céu como da Terra e de debaixo da Terra; coisas que foram, coisas que são, coisas que logo hão de suceder; coisas que estão em casa (nacionais), coisas que estão no estrangeiro; as guerras e complexidades das nações e os julgamentos que estão sobre a terra; e também um conhecimento de países e reinos” (D&C 88:79). Nossa educação contínua há de ser tanto uma busca espiritual como intelectual e profissional. O Senhor nos ensinou que o conhecimento que adquirimos através de nosso aprendizado nos preparará em todas as coisas a fim de magnificar os chamados a que fomos preordenados (vide D&C 88:80) e ressuscitará conosco na ressurreição, sendo para nós uma vantagem na eternidade (vide D&C 130:18—19).

Levando em conta estas escrituras, não é de se admirar que a instrução, tanto formal como informal, desempenhe um papel importante na vida dos Santos dos Últimos Dias fieis. Nossa fé deve nos impulsionar adiante à busca da verdade e conhecimento de Deus. “Afinal de contas somos todos nós estudantes,” ensinou o Presidente Gordon B. Hinckley. “Se chegar o dia em que deixarmos de aprender, cuidado!

Dentro de cada um de nós há um potencial grande de continuar a aprender. Independente de nossa idade, a não ser que se tenha uma doença grave, podemos ler, estudar e assimilar os escritos de maravilhosos homens e mulheres. . . .

Devemos continuar a crescer. Devemos aprender continuamente. Trata-se de uma ordem divina, a de irmos adiante, aumentando nosso conhecimento.

Temos acesso a aulas do instituto, cursos universitários à longa distância, a semana de educação e muitas outras oportunidades em que, ao estudarmos e juntar nosso pensamento ao dos outros, descobriremos uma reserva enorme de capacidade dentro de nós mesmos. (Teachings of Gordon B. Hinckley (Os Ensinamentos de Gordon B. Hinckley) [Salt Lake City: Deseret Book, 1997], 302–3.)

Ao longo dos últimos vinte anos tenho lecionado como um dos professores da Semana da Educação. É sempre um privilégio participar porque sempre recebo mais do que dou e fico cada vez mais decidido a melhorar. Minha fé no Senhor e amor ao evangelho sempre se fortalecem quando presencio o milagre de agosto: milhares e milhares de Santos de todas as partes do mundo que realmente “entram para aprender” e então “saem para servir,” tornando-se melhores maridos, esposas, pais, mães, avós, filhos e conservos no Reino de Deus. Devido ao fato de sua vida ter sido fortalecida, eles têm mais condições de servir seu próximo ao longo das semanas e anos que vêm. Isso realmente se trata de um milagre!


À Sombra da Basílica de São Pedro

POSTED BY: holzapfel

07/30/09


Neste fim de semana acabarei de dirigir a fase do programa de estudos no exterior da BYU em Roma e daqui passaremos a Atenas pela a última semana e meia do curso.

Acabamos de passar um mês de muito calor e humidade em que o Dr. Gary Hatch e eu temos tentado nos manter à frente do grupo de quarenta estudantes que integram nossa turma. Neste mês que passou vimos boa parte de Roma e da Itália.

Roma foi nosso centro de operações durante o curso e moramos em vários apartamentos localizados perto da Cidade do Vaticano, a menor nação independente do mundo. De fato, dois dos apartamentos dos estudantes dão vistas, pelas janelas dos quartos, para a Basílica de São Pedro.

Naturalmente, como quaisquer outros turistas e visitantes, já visitamos os museus do Vaticano, os jardins do Vaticano, o Scavi (o necrópole subterraneo do primeiro século AD que fica em baixo da Basílica de São Pedro) e o interior da própria basílica. Os alunos também assistiram a uma audiência papal durante a primeira semana. Em outras ocasiões, a magnífica praça de São Pedro serviu de local de encontro do nosso grupo antes de partirmos para outros locais da cidade. Não obstante, parecia que estávamos sempre à sombra da catedral de São Pedro todos os dias, independente do lugar da cidade em que estávamos.

Até para os não católicos, a Basílica de São Pedro é um ponto turístico que se tem que visitar em Roma. O Pietá de Michelangelo se encontra nesta catedral e sua cúpula domina o horizonte da própria Roma, chamando as pessoas para se reunirem neste local notável.

Conforme a tradição antiga, Pedro foi crucificado no Circo de Nero e enterrado nas proximidades entre 64 e 66 AD. Mais tarde, possivelmente lá por meados do segundo século AD, os cristãos indentificaram uma sepultura que, conforme criam, continha os ossos de Pedro. Mais tarde, no quarto século, Constantino mandou construir uma capela no local. Por fim, em 1505, o Papa Júlio Segundo iniciou a construção de uma nova catedral, a basílica atual. A partir de 1939, o Vaticano patrocinou várias excavações arqueológicas por baixo da Basíçica de São Pedro onde encontraram os restos da primeira capela e umas sepulturas do primeiro século AD.

Hoje em dia, os que visitam os Scavi (excavações) podem ver certa sepultura, que os católicos acreditam ser a de São Pedro, localizada diretamente em baixo do atual alto altar que se cobre do pálio de Bernini logo em baixo da magnífica cúpula de Michelangelo. Embora esta provavelmente não seja a sepultura do pescador da Galileia, há algo de memorável em visitar o lugar que tem sido o enfoque de tantas peregrinações ao longo de dois mil anos. E mesmo que nunca saibamos o que houve com Pedro (onde, como e quando morreu), há algo que nos faz pensar nele enquanto estamos à sombra da basílica que leva seu nome nesta cidade notável à beira do Rio Tibre.


Recordar e Festejar nossa História Global

POSTED BY: holzapfel

07/23/09


Blog do convidado especial, Reid L. Neilson, professor assistente de história da Igreja e de doutrina da BYU.
De modo geral, o Dia do Pioneiro (dia 24 de julho) nos traz imagens de carroções e de carroças puxadas à mão a caminho de Utah no Oeste dos Estados Unidos. Tal ideia da história da Igreja é míope, porém, pois torna obscuros os esforços dos Santos dos Últimos Dias pelo mundo afora. Felizmente o historiador Andrew Jenson fez de tudo para expandir a visão histórica dos membros da Igreja, algo de que devemos nos lembrar nesta época do ano de homenagem ao pioneiro.

Ao trabalhar no Departamento de História da Igreja em Salt Lake City, Jenson foi mandado pela Primeira Presidência para visitar o campo missionário nas áreas fora da América do Norte. Esse dinamarquês corajoso partiu de Salt Lake City em 11 de maio de 1895 e só voltou à Cidade dos Santos em 4 de junho de 1897. Ao longo de sua viagem, sozinho, de vinte e cinco meses de circunavegação do mundo, Jenson passou pelas seguintes ilhas, nações e terras (em ordem cronológica): as Ilhas do Havaí, Fiji, o Reino deTonga, Samoa, a Nova Zelândia, as Ilhas Cook, o Arquipélago Sociedade, as Ilhas Tuamotu, a Austrália, Ceilão, o Egito, a Síria, a Palestina, a Itália, a França, a Dinamarca, a Noruéga, a Suécia, a Prússia, Hanôver, a Saxônia, a Bavária, a Suíça, a Holanda, a Inglaterra, o País de Gales, a Irlanda e a Escócia. Ele percorreu 91.494 quilômetros de vários navios e barcos por via marítima, de ferrovia, de carroça, de jinriquixá, a cavalo, burro e camelo por via terrestre. Jenson foi o primeiro Santo dos Últimos Dias a visitar todas as missões então existentes, fora as missões da América do Norte, depois do início da evangelização da Bacia Pacífica na década de 1840.

Em muitos sermões e até em discursos na conferência geral, Jenson pregou a importância de manter registros. “Se não houvesse os escritores . . . que pertenciam à Igreja original, o que saberíamos dos feitos de Cristo?” Em certa ocasião, Jenson lançou um desafio aos Santos dos Últimos Dias: “E se ninguém os tivesse gravado junto a outros dizeres lindos de Cristo e seus apóstolos, o que teríamos sabido do ministério de Cristo e dos apóstolos? Teríamos só umas ideias obscuras passadas a nós por tradição, as quais nos desviariam mais do caminho do que nos orientariam.” Em outras palavras, se não tivesse havido escritores e historiadores nas dispensações de outrora, não existiriam nem as escrituras hebraicas nem as cristãs. Da mesma forma, nós ficaremos sem orientação nesta dispensação, segundo o ensinamento dele, se os membros não mantiverem histórias eclesiásticas e pessoais. Sua percepção espiritual do destino, junto com um espírito sem par de trabalhador, formaram a vida e a obra de Jenson. Basta pesquisar o catálago da Biblioteca de História da Igreja para os trabalhos de Jenson para adquirirmos uma visão da extensão de seus esforços.

Eu já argumentei que a história da Igreja consiste na história SUD global. Os Santos dos Últimos Dias da América do Norte precisam entender que grande parte de nossa história interessante ocorreu no exterior. Devemos sempre nos lembrar de que a restauração do evangelho ocorre sempre que se dedica um novo país, pela autoridade apostólica, para o proselitismo. Em outras palavras, a restauração original em Nova York em 1830 foi, em grande parte, repetida na Grã Bretanha em 1837, no Japão em 1901, no Brasil em 1935, na Gana em 1970, na Rússia em 1989 e na Mongólia em 1992. Os historidadores Mórmons necessitam refocar seus trabalhos de pesquisa, partindo de Palmyra, Kirtland, Nauvoo e Salt Lake City para Tóquio, Santiago, São Paulo, Varsóvia, Johannesburgo e Nairóbi. Estas cidades internacionais e suas histórias se tornarão cada vez mais importantes na nossa sagrada história. Precisa-se contar tais histórias de todo o mundo com mais frequência e mais perfeição. Neste sentido Jenson era um homem de visão muito adiantada. No final do século dezenove, este trabalhador sem igual do Escritório do Historiador da Igreja tinha a visão e vontade de dedicar dois anos de sua vida para documentar a Igreja global e seus membros. Louis Reinwand observou: “Jenson desempenhou um papel crucial em manter viva a ideia de uma Igreja universal. Ele foi o primeiro a insistir que a história Mórmon inclui alemães, ingleses, escandinavos, tonganeses, brasileiros e outros grupos nacionais e culturais e que a história dos Santos dos Últimos Dias deve ser escrita em várias línguas para o benefício dos que não falam inglês como língua mãe” (“Andrew Jenson, Latter-day Saint Historian [Andrew Jenson, historiador SUD],” BYU Studies 14, no. 1 [Autumn 1973]: 44).


A Redescoberta de um Mundo Antigo

POSTED BY: holzapfel

07/17/09


 O Centro de Estudos Religiosos da BYU [BYU Religious Studies Center] promove pesquisas e a publicação de artigos doutos através de bolsas e das próprias publicações do Centro. Um aspecto da missão do CER é o de incentivar a reconstrução do mundo das escrituras e da Restauração para nos dar um contexto para facilitar os estudos.

Atualmente sou codiretor do programa de Estudos no Exterior da BYU em Roma e Atenas junto com Gary Hatch, reitor adjunto de Educação Geral e Programas de Honras. Quarenta alunos estão conosco para esta aventura, e que aventura! Faz calor, está muito húmido e é difícil levar todos a um museu ou local arqueológico devido ao sistema complicado e congestionado de ônibus, trem e metrô.Como se pode imaginar, passamos muito tempo passeando pelas ruas da antiga Roma. Em alguns lugares, pode ser que até sigamos os mesmos passos de Pedro e Paulo. Na semana que vem vamos viajar para mais longe, até as antigas ruínas de Pompeia, perto da cidade moderna de Nápoles na Itália.

Já fui a Pompeia várias vezes depois da minha primeria visita com um grupo de estudantes colegiais de York, Estado de Maine, em 1972. Cada visita subsequente tem me deixado cada vez mais melancólico e por isso não estou muito a fim de fazer outra viagem. Fico angustiado pelas imagens de morte na cidade, especialmente os moldes de gesso dos corpos daqueles que lá morreram há tantos anos. Não obstante, tenho me preparado para a excursão através da leitura de um novo livro sobre Pompeia de Mary Beard, The Fires of Vesuvius: Pompeii Lost and Found [Os fogos do Vesúvio: Pompeia Perdida e Achada] (Cambridge, MA: The Belknap Press of Harvard University Press, 2008).

O livro de Beard me lembra que a história do passado é muito mais complicado do que imaginamos. Este livro é bom para qualquer pessoa que sonhe em ir a Pompeia ou que queira entender a complexidade da história daquela cidade. Em primeiro lugar, a autora nos explica que Pompeia é mais que uma “mera cidade congelada no tempo” (9). Em capítulo após capítulo a autora nos diz que: “Nem tudo é como parece à primeira vista” (13). Já tinha havido destruição antes da erupção famosa de 79 AD (ela descorda que a data do cataclismo foi de 25 de agosto daquele ano) e logo após o trágico desastre houve pilhagem no local. Então, em 1943, as bombas das forças aliadas destruíram ainda mais, complicando ainda mais a história. Apesar disso, Beard observa: “É verdade que esta cidade nos oferece uma vista mais vívida das pessoas e de sua vida do que em qualquer outra parte do antigo mundo romano” (15). Porém, “O contexto maior e as respostas a muitas perguntas básicas sobre a cidade, na verdade, permanecem muito obscuros” (16).

Beard nos proporciona retratos em palavras desta história de tantas nuanças e complexidades que nos ajudam a enxergar além da reconstrução moderna da cidade e da nossa imaginação hollywoodiana do que pode ter sido a realidade. Na próxima vez que lerem a segunda parte do Novo Testamento, considerem o estudo histórico e cultural a respeito da época para preencher as lacunas do relato no livro de Atos. Tal estudo revelará um mundo interessante e complexo, dando um contexto mais âmplo aos escritos de Paulo, Lucas, Pedro e outros.


Procurai Conhecimento

POSTED BY: holzapfel

07/13/09


Os Santos dos Últimos Dias gostam de citar uma frase de revelação moderna: “Procurai conhecimento, sim, pelo estudo e também pela fé” (Doutrina e Convênios 88:118). Desde o início da Restauração na década de 1820, um tema muito comum da busca religiosa do Profeta Joseph Smith era o de procurar conhecimento, luz e entendimento. Quando na primavera de 1820 ele entrou num bosque perto de sua casa para orar, Joseph Smith foi impelido por sua confiança na promessa bíblica que se acha em Tiago 1:5 de que ele encontraria sabedoria se a buscasse. Esta oração resultou na Primeira Visão, em que Joseph viu o Pai e o Filho, assim dando início a um alvorecer espiritual que os homens e mulheres contemporâneos de Joseph não esperavam, mas que os profetas e apóstolos da antiguidade haviam antecipado (vide Atos 3:20–21).

A partir deste momento, as verdades do evangelho continuaram a ser reveladas pelo jovem profeta ao passo que ele mesmo buscava a sabedoria de Deus. É interessante notar que Joseph Smith não só orou para receber tal sabedoria como também estudou a palavra de Deus e as línguas do mundo bíblico (por exemplo, hebreu e egípcio), pondo em prática o mandamento: “procurai conhecimento, sim, pelo estudo e pela fé.” Seu exemplo neste esfoço de duas partes estabeleceu um padrão para os Santos dos Últimos Dias que continua a nos desafiar ainda hoje em dia.

Ultimamente, tem havido uma explosão de livros de autoajuda para “ignorantes,” ou seja, livros que “simplificam” as coisas. Na vida corrida da atualidade, muitas vezes procuramos uma solução rápida de nossos problemas, até no que diz respeito ao estudo das escrituras. Porém, quando se aplica tal método ao estudo das escrituras, este modo de estudar, embora seja popular, pode não aumentar nosso conhecimento do assunto. Meu colega, Robert J. Millet, opinou uns tempos atrás que as escrituras precisam ser compreensíveis mas não simplificadas. Não acredito que ele estivesse fazendo um jogo de palavras, pelo contrário, identificou uma diferença importante entre os dois métodos de aprendizado.

Felizmente, Joseph Fielding McConkie, professor emérito de escrituras antigas da BYU, nos ajuda a fazer as escrituras mais compreensíveis por meio de seu livro mais recente, Between the Lines: Unlocking Scriptures with Timeless Principles [Nas Entrelinhas: o Desencadear das Escrituras por meio de Princípios Sempiternos] (Honeoye Falls, NY: Digital Legend, 2009).

O que mais me impressionou neste livro é que me obrigou a pensar mais em como leio e estudo as escrituras. Às vezes, para focalizar nosso pensamento, é importante contemplar como e por que fazemos uma coisa rotinária como estudar as escrituras. McConkie não se importa com as “técnicas,” tais como o sistema de cores dos lápis que se usam para marcar as escrituras, ou mesmo se devemos marcar as escrituras ou não. Sua meta é a de incrementar nosso estudo das escrituras por meio de prover “princípios eternos que facilitam o entendimento íntegro das escrituras” (viii).

O livro contém mais do que meras ideias sobre o entendimento das escrituras. Há sugestões concretas. Por exemplo, o autor recomenda que aproveitamos “várias Bíblias de estudo específico” (29). Ele desfruta “a ajuda da Archaeological Study Bible [Bíblia de Esudos Arqueológicos], The Jewish Study Bible [A Bíblia Judaica de Estudo], The Catholic Study Bible [A Bíblia Católica de Estudo], e várias Bíblias Protestantes de estudo” (29) e até fornece uma lista de tais Bíblias de estudo na seção “Sources [Fontes]” (165–66).

Há momentos humorosos espalhados ao longo do livro quando o autor se diverte em indicar umas práticas comuns que muitos de nós temos seguido ao longo dos anos, mas que podem ter nos desviado da meta de entender as escrituras. Pode ser até saudável nos rir de nós mesmos de vez em quando, principalmente quando se leva em conta que é possível que tenhamos suportado “um bocado de abuso das escrituras” (viii). Recomendo este livro a todos os que querem melhorar a qualidade de seu estudo e ensino das escrituras.


“E depois nos dirigimos a Roma”

POSTED BY: holzapfel

07/07/09


Há quase dois mil anos Lucas preparou uma obra em duas partes, ou seja, o Evangelho de São Lucas e o livro dos Atos dos Apóstolos, mas o que se conta nelas é tão reanimador e emociante como uma história moderna. Ele estva em muito boa forma ao escrever os últimos dois capítulos de Atos, os quais contêm uma das maiores narrativas do passado sobre viagens ao alto-mar (vide Atos 27–28). Paulo já havia languescido por dois anos na prisão da capital provinciana romana da Judeia quando Lucas iniciou esta parte muito conhecida do relato: “E, como se determinou que havíamos de navegar para a Itália, entregaram Paulo, e alguns outros presos, a um centurião por nome de Júlio, da coorte augusta” (Atos 27:1).

Lucas nos deu um relato dramático da tempestade, da advertência e do naufrágio. Paulo, que era conhecido como missionário incansável que procura salvar o mundo, de fato salvou a tripulação, os soldados e os prisioneiros. Acharam refúgio numa ilha, provavelmente a de Malta, e depois de três meses, embarcaram num navio graneleiro provindo de Alexandria, Egito, rumo a Roma.

Lucas continuou, “E, chegando a Siracusa [na Sicília], ficamos ali três dias. De onde, indo costeando, viemos a Régio; e soprando, um dia depois, um vento do sul, chegamos no segundo dia a Potéoli [a atual Pozzuoli, logo ao norte de Nápoles]” (Atos 28:12–13).

Durante os últimos quinze anos tenho retraçado as viagens de Paulo. Trata-se não somente de um projeto profissional (leciono o Novo Testamento) mas também uma busca pessoal—Paulo me interessa muito há um tempão. No domingo passado, por fim visitei um local que está há muito tempo na minha lista de lugares que eu gostaria de conhecer—Pozzuoli. Com um ex-companheiro de missão, Steve Smoot, na direção, chegamos a esta cidadezinha calma na costa italiana.

Pozzuoli recém apareceu no noticiário. Só na semana passada, arqueólogos desenterraram um busto em mármore do imperador romano Tito, o qual havia destruído Jerusalém e o templo em 70 AD.

Voltando ao livro de Atos, o relato de Lucas agora passa de narrativa marítima à viagem por terra com seis palavras cheias de emoçaõ: “E depois nos dirigimos a Roma” (Atos 28:14). Naturalmente, Roma foi a destinação final da jornada, mas, o que é de mais importante, a chegada a Roma representou o ponto culminante do relato do livro de Atos—Paulo agora proclamaria “as boas novas” em Roma, o centro do próprio império.

Para mim, a melhor parte da visita aos locais históricos é que daquele dia em diante sinto algo diferente ao ensinar a história sobre ao local. Como Lucas, vou poder proporcionar um retrato em palavras a meus estudantes. Neste caso, descreverei o Mar Mediterrâneo tão azul, a praia apinhada de barcos, redes e pássaros e cercado de morros no horizonte em Pozzuoli. Na minha lembrança levarei um retrato de Paulo, subindo os barrancos que separam a aldeia da planície lá em cima, dando início a sua caminhada a Roma. Lembrar-me-ei do calor, da humidade e do cheiro da água do mar e dos peixes. Meus alunos viajarão comigo ao viajarmos com Lucas e Paulo por Pozzuoli a caminho de Roma ao estudarmos o relato desta viagem do Apóstolo Paulo.


Um Sonho Patriótico

POSTED BY: holzapfel

07/02/09


Blog do convidado especial Robert C. Freeman, professor de história e doutrina da Igreja da BYU.

Assita ao desfile, veja a banda passar, acenda a churrasqueira e presencie o espetáculo de fogos de artifício! Neste mês de julho os Santos dos Últimos Dias dos Estados Unidos se unirão ao resto da nação em festejar o nascimento [dia da independência] dos Estados Unidos da América.  Já faz quinze anos que venho colecionando histórias dos membros da Igreja que serviarm nas forças armadas (www.saintsatwar.org).

Os Santos dos Últimos Dias desfrutam uma longa história de patriotismo a seus respectivos países, entre eles os Estados Unidos. O próprio Joseph Smith abraçou um sentimento de lealdade aos princípios da constituição dos EUA. Ele disse: “Eu sou o maior defensor da constituição dos Estados Unidos que há nesta terra. No íntimo estou sempre pronto para até morrer em defesa dos indefesos e oprimidos quanto a seus direitos justos. A única fraqueza que encontro na constituição é que não é suficientemente ampla para atender a todas as necessidades do povo” (Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, compilado por Joseph Fielding Smith [SLC: Deseret Book, 1976], 326). A percepção por parte do Profeta referente à necessidade que amplificar a constituição é muito interessante posto que depois de seu falecimento houve emendas cruciais, tais como as de direitos humanos e civis (emendas treze, quatorze e quinze) e a décima nona emenda que proporcionou o direito de votar à mulher.Algumas décadas atrás, na ocasião do festejo do bicentenário da fundação dos Estados Unidos, o Presidente Spencer W. Kimball falou das tendências militantes da humanidade moderna: “Somos um povo guerreiro, facilmente desviado de nossa designação principal, a de preparar-nos para a segunda vinda do Senhor. Quando surgirem inimigos, dedicamos vastos recursos à fabricação de deuses de pedra e de aço, ou seja, navios, aviões, mísseis e fortificações, e dependemos deles para nossa proteção e liberação. Quando ameaçados, viramos contra os inimigos em vez de a favor do reino de Deus; treinamos um homem na arte de gurerra e o chamamos de patriota, assim pervertendo, de forma diabólica e falsa, os ensinamentos do Senhor” (“The False Gods We Worship (Os deuses falsos que adoramos),” Ensign, junho de 1976).

Hoje em dia os Santos dos Últimos Dias norte-americanos continuam a ser patriotas sob a bandeira de vermelho, branco e azul. A cidade de Provo, sede da Universidade Brigham Young, patrocina uma das maiores celebrações do dia quatro de julho [dia da independência] em todo o território nacional, o chamado Festival de Liberdade. Naturalmente, a influência da Igreja está no mundo todo, o que nos obriga a considerar umas questões importantes, por exemplo, o que significa o patriotismo em termos da Igreja global? Com certeza temos que manter uma perspectiva correta quanto ao patriotismo. Festejamos o dia porque esta é a terra de nossos pais e de nossos filhos. Abraçamos tudo que é de bom em nosso país e esperamos ajudar em questões de liberdade e direitos humanos tanto aqui “em casa” como no exterior. Procuramos defender os princípios de liberdade e igualdade em todos os lugares em que forem atacadas.

O Élder Dallin H. Oaks também nos advertiu a respeito dos riscos de um patriotismo zeloso demais quando disse: “O amor pela pátria é, certamente, uma virtude, porém, levado ao excesso, pode se tornar causa de decadência espirituall. Há certos cidadãos cujo patriotismo é tão intenso e tão envolvente que domina todas as outras responsabilidades, inclusive as de família e de Igreja” (“Our Strengths Can Become Our Downfall(Nosso forte pode se tornar nosso fracasso),” Ensign, outubro de 1994, 17). Que soltem os foguetes!

Tais ensinamentos nos lembram da necessidade de refinar nosso patriotismo para assegurar que seja sincero e dentro dos limites que o Senhor estabeleceu. O verdadeiro patriotismo proporciona honra a qualquer nação em que se abrace a liberdade. Tal liberdade é necessária para que o reino de Deus floresça entre os povos do Senhor. Há muito que festejar no nosso país abençoado e em todo país onde se luta pela liberdade.


Joseph e Hyrum Smith

POSTED BY: holzapfel

06/26/09


Blog do convidado especial Richard E. Bennett, professor de história e doutrina da Igreja.

O sucesso do movimento da Reformação Protestante se deve à tradução e à edição de um livro. Certamente foram indispensáveis para o sucesso final da Reformação os esforços de tais mártires antigos como John Wycliffe, e, mais tarde. os esforços dos reformadores tais como William Tyndale e Martinho Lutero, os quais imprimiram e disseminaram a Santa Bíblia, graças à invenção prévia de tipo móvel e da imprensa por Johann Gutenberg. Naquela época procuraram muitas vezes incendiar os livros numa tentativa de destruir o poder da palavra impressa, mas não havia incêndio que pudesse impedir o avanço deste maré de reforma religiosa.

Assim também a Restauração do evangelho de Jesus Cristo dependia em grande parte do poder da publicação de outro livro. Neste dia, o 165º aniversário do martírio de Joseph e Hyrum Smith, convém dar uma paradinha e lembrar-nos de sua causa. Os historiadores continuam a oferecer um monte de explicações imediatas pelo martírio: a destruição da imprensa do jornal Nauvoo Expositor, a extradição proposta pelos missourianos, o assunto da separação da Igreja do Estado levantado por Thomas C. Sharp, a intriga de John C. Bennett e um grupo de ex-Santos dos Últimos Dias desafetados, a poligamia?a lista continua e continua.

Porém, pode ser que convenha nos lembrar de que John Taylor, uma testemunha ocular do assassinato, não o atribuiu, conforme consta na seção 135 de Doutrina e Convênios, a estes fatos, e sim à publicação de dois novos livros de escrituras. John Taylor declarou que era o surgimento do Livro de Mórmon e do livro de Doutrina e Convênios “para a salvação de um mundo arruinado” que “custou o melhor sangue do século dezenove” (D&C 135:6).

O mensageiro impresso e a evidência da veracidade da Restauração sempre têm sido o Livro de Mórmon. Mais do que qualquer outro fator, foi o Livro de Mórmon que caraterizou a ascenção inicial da Igreja de Jesus Cristo e converteu um núcleo de membros leais e dedicados que formaram o alicerce sobre o qual se construiu a Igreja. Parley P. Pratt disse:

Eu o li cuidadosa e diligentemente, sim uma grande parte, sem saber que o sacerdócio havia sido restaurado, sem ter antes ouvido falar do chamado “mormonismo,” e sem ter uma noção de tal Igreja e povo. (Journal of Discourses (Revista de Discursos) [Liverpool: Latter-day Saints’ Book Depot, 1858], 193–94) 

Até antes do Pratt se encontrar com Joseph Smith, ele visitou Hyrum, o irmão do Profeta, que lhe desvendou “os detalhes da descoberta do Livro, sua tradução, o surgimento da Igreja dos Santos dos Últimos Dias, a designação divina de seu irmão, Joseph, e de outros por revelação e o ministério de anjos, pelos quais o apostolado e autoridade do sacerdócio haviam sido restaurados à terra” (Autobiography of Parley P. Pratt (Autobiografia de Parley P. Pratt), redação de Parley P. Pratt Jr. [Salt Lake City: Deseret Book, 1985], 22).

“A experiência de Parley Pratt com o Livro de Mórmon não era única,” conforme comentou o Presidente Gordon B. Hinckley em tempos mais recentes. “Ao passo que os exemplares da primeira edição eram distribuídos e lidos, centenas de homens e mulheres fortes foram profundamente comovidos, de tal modo que deixaram tudo que possuíam e, nos anos seguintes, não foram poucos que até sacrificaram a própria vida por causa do testemunho que levavam no coração da veracidade deste volume tão notável” (“A Testimony Vibrant and True” [“Um Testemunho Vibrante e Fiel”], Ensign, August 2005, 3).

E a obra destes dois irmãos, Joseph e Hyrum, tão leais um ao outro e à mensagem de Cumora, tanto começou como findou pelo Livro de Mórmon, pois a última escritura que os dois homens leram juntos, logo antes de serem baleados e mortos no Cárcere de Carthage em 27 de junho de 1844, não se tratou de uma escritura bíblica, e sim um trecho do Livro de Mórmon.

Naquela mesma manhã, depois de Hyrum preparar-se para partir—dir-se-á para a chacina? sim, pois assim aconteceu?ele leu o seguinte parágrafo, quase no fim do capítulo doze de Éter, no Livro de Mórmon, e dobrou a página para marcá-la:

E aconteceu que eu orei ao Senhor a fim de que ele desse graça aos gentios, para que tenham caridade. E aconteceu que o Senhor me disse: Se eles não têm caridade, a ti isso não importa; tu tens sido fiel; portanto tuas vestes se tornarão limpas. E porque viste a tua fraqueza, serás fortalecido até que te sentes no lugar que preparei nas mansões de meu Pai. E agora . . . despeço-me dos gentios, sim, e também de meus irmãos a quem amo, até que nos encontremos perante o tribunal de Cristo, onde todos so homens saberão que minhas vestes não estão manchadas com o vosso sangue. (D&C 135:5)

“Viveu grandiosamente e morreu grandiosamente aos olhos de Deus e de seu pobo; e como a maior parte dos ungidos do Senhor na antiguidade, selou sua missão e suas obras com o próprio sangue; o mesmo fez seu irmão Hyrum. Em vida não foram divididos e na morte não foram separados!” (135:3).

(”tags” só disponíveis em inglês)



Courtesy Community of Christ Archives, Independence, Missouri.

 Blog do convidado especial Kent P. Jackson, professor de escrituras antigas.

Neste mês agora celebramos o 179º aniversário de algo que a maioria dos Santos dos Últimos Dias desconhecem. Foi em junho de 1830, apenas dois meses depois da organização da Igreja, quando o Profeta Joseph Smith iniciou o trabalho da tradução da Bíblia. Hoje em dia chamamo-la a Tradução de Joseph Smith (empregando a sigla TJS), mas o próprio Profeta a chamava de a Nova Tradução. As primeiras dezenove páginas, reveladas entre junho de 1830 e o fim daquele ano, contêm sua revisão dos primeiros capítulos de Gênesis. Quando se criou a Pérola de Grande Valor em 1851, aqueles capítulos de Gênesis foram incluídos no livro, onde permanecem até hoje. Chamam-se o Livro de Moisés.

Há algo de novo na Nova Tradução? Vamos examinar um capítulo só, o primeiro capítulo da tradução, revelada em junho de 1830.

O atual capítulo 1 do Livro de Moisés consiste no relato de uma visão que Moisés presenciou antes do Senhor revelar-lhe o relato da criação do mundo. Assim, trata-se de prefácio do livro de Gênesis. Este é um dos capítulos mais notáveis das escrituras e está repleto de doutrinas que destacam os Santos dos Últimos Dias dentre todos os outros que creem na Bíblia. Embora esta visão de Moisés seja um evento bíblico que se realizou num contexto bíblico, não há nenhuma menção dela no Velho Testamento. Não há nada semelhante na Bíblia, mas se trata de uma das grandes tesouros da Restauração—uma verdadeira pérola de grande valor.

Neste único capítulo aprendemos muito.

Moisés fala com Deus “face a face” em termos que indicam fortemente que em verdade Deus tem rosto. Aprendemos a respeito do Filho Unigênito do Pai. Ao passo que o Pai fala com Moisés e lhe ensina acerca de Jesus Cristo, a escritura nos lembra em termos claros de que o Pai e o Filho são seres divinos separados e distintos. Aprendemos também a respeito de nós mesmos: que armados só de nossos próprios recursos não somos nada. Mesmo assim, somos filhos de Deus criados à imagem e semelhança de seu Filho Unigênito e dotados de potencial enorme.

Aprendemos sobre a glória de Deus, o poder celestial que irradia dele e o rodeia. Os humanos precisam ser transfigurados para sobreviver na glória de Deus, mas Satanás só pode fingir tê-la e de fato não a possui de forma alguma. Vemos Deus e Satanás juxtapostos num contraste marcante e aprendemos que Satanás tem a necessidade patológica de ser adorado e só procura satisfazer seus próprios interesses.

Aprendemos também a respeito do poder de Deus e de suas criações assombrosas. Moisés, ao estar cercado da glória de Deus, pôde ver todas as partículas desta terra e discernir todas as almas no planeta. Até viu outros mundos habitados, mundos sem fim. Ele aprendeu que Cristo é o Criador de todos aqueles mundos e aprendeu que a obra e glória de Deus e levar a efeito a imortalidade e vida eterna de seus filhos que habitam nestes mundos.

Nem é preciso dizer que nada disso fazia parte da crença das principais igrejas cristãs na época de junho de 1830 quando o Senhor revelou estas coisas a Joseph Smith. De fato há muito de novo na Nova Tradução, e aqui só falamos do primeiro capítulo.

(”tags” só disponíveis em inglês)


Um milhão de palavras?

POSTED BY: holzapfel

06/17/09


De acordo com a CNN, na quarta-feira passada os vocábulos da língua inglesa chegaram a um milhão de palavras. Os eruditos argumentam que nem é possível contar o número de palavras novas e que tais anúncios se tratam mais de exagero do que realidade. Não obstante, todo o mundo concorda que o inglês possui mais palavras do que qualquer outra língua do planeta e que o número cresce espantosamente de ano em ano. A língua chinesa, por exemplo, possui aproximadamente 450.000 palavras—entre as línguas um segundo lugar distante, mesmo considerando a contagem mais conservadora do vocabulário inglês. O Dicionário Oxford da Língua Inglesa [The Oxford English Dictionary] contém cerca de 600.000 verbetes.

Hoje em dia, aproximadamente dois bilhões de pessoas falam inglês. Mais documentos, artigos e livros são traduzidos para inglês do que para qualquer outra língua. Só um exemplo: Há somente uma dúzia de traduções das obras de Homero em francês.

Porém, há centenas de traduções em inglês.

A língua inglesa continua a ser a língua internacional de negócios e de Internet.
Um dos motivos pelos quais o inglês é tão abrangente é que aceita novos vocábulos. Enquanto isso, muitos puristas e acadêmicos procuram construir muros ao redor de sua língua, no entanto a língua inglesa adota e adapta palavras do mundo inteiro.

Outra razão pela grande divulgação da língua inglesa é a influência da Bíblia inglesa, cujas palavras e frases têm origem na tradução de William Tyndale. David Daniel, professor emérito de inglês da Universidade College London [Faculdade de Londres] e associado honorário das faculdades de Hertford e St. Catherine da Universidade Oxford, observou: “A língua inglesa, quando Tyndale [1494–1536] começou a escrever, era uma língua pobre, falado por poucos numa ilha que ficava próxima ao litoral da Europa, aliás, uma língua desconhecida na Europa” (The Bible in English [A Bíblia em inglês] [New Haven: Yale, 2003], 248).

A tradução de Tyndale produziu novas palavras e expressões que ainda resoam com emoção. Seu domínio de inglês e das antigas línguas bíblicas de hebraico e de grego era notável e seu “dom da língua inglesa era imensurável” (158). Os tradutores da versão do Rei James da Bíblia inglesa “adotaram em grande parte seu estilo e suas palavra na versão deles” (158).

Entre as palavras e frases que ele contribuiu são “atonement [expiação],” “Passover [Páscoa],” “Let there be light [Haja luz],” “I am the good shepherd [Sou o bom pastor]” e “Give us this day our daily bread [O pão nosso de cada dia nos dá hoje]” (Mateus 6:11). Daniel observa a natureza eterna desta última expressão: “A simplicidade daquelas sete palavras, em vocabulário e sintaxe saxões, conformando ao grego comum original, têm perdurado desde 1526 em quase todas as traduções da Bíblia, sendo dezenas feitas no século vinte, com somente uma variação, a infrequente substituição de ‘this day’ por ‘today’” (133).

Quer seja a quarta-feira passada um dia notável quer não, tal anúncio chama atenção a esta língua muito resistente que está se espalhando a todos os cantos do mundo.

(“tags” só disponíveis em inglês)

Posts anteriores »