Gestão Eficaz do Tempo na Sala de Aula

Gestão Eficaz do Tempo na Sala de Aula

Scott H. Knecht

Scott H. Knecht (knechtsh@ldsces.org) é diretor assistente de área dos Seminários e Institutos de Religião do sul da Califórnia.

Entre todos os papeis do professor, um dos menos comentados é o de cronometrista. Levando em conta tudo que o professor faz, parece até bobo o professor ter que desempenhar este papel a mais. Porém, se o professor não assumir a responsabilidade de marcar o tempo, ninguém a assumirá. Todos os períodos de aula têm hora de começar e hora de terminar e dentro desta estrutura o professor precisa apresentar uma ideia, bem como incentivar e promover de várias formas o aprendizado dos alunos e ainda reunir todos estes elementos para que os alunos queiram transformar a vida para o bem. Já que somos limitados pelo tempo, devemos fazê-lo nosso amigo em vez de inimigo.

Na reunião mundial de treinamento de liderança de fevereiro de 2007, o Élder Jeffrey R. Holland disse: “Um ambiente sem a pressão de cumprir um horário é absolutamente essencial para que o Espírito do Senhor esteja presente na sua aula. Por favor, não se esqueçam disso. Muitos de nós estamos com pressa demais. Apressamo-nos de tal maneira que ultrapassamos o Espírito do Senhor numa corrida muito desnecessária contra o relógio.”[1]{C} Os professore precisam criar e manter um ambiente calmo ao guiarem os estudantes aos objetivos do aprendizado.

Quantas destas cenas nos são bem-conhecidas?

• A aula começa e o professor começa por dizer: “Há muitos assuntos a serem tratados hoje e não sei se teremos tempo suficiente, mas faremos nosso melhor.”

• A aula vai muito bem até uns dez a quinze minutos antes do final quando o professor repara no relógio, entra em pânico e diz: “Não há jeito de abordar tudo isso,” e daí corre feito um louco até o final da aula.

• Chegou a hora de encerrar a aula e o professor ainda está falando. Passou da hora e os alunos estão nervosos, juntando as coisas e começando a sair da sala um por um. O professor implora que fiquem para discutir “só mais um ponto importante.”

Todos estes cenários são o resultado de má administração do tempo. Quando o professor não consegue controlar o tempo, o Espírito se sente desprezado e a aprendizagem do aluno sofre.

Um amigo meu, um excelente professor numa escola pública, disse: “O tempo não pertence exclusivamente ao professor. Nos momentos quando ensinamos, o tempo é algo compartilhado entre o professor e os alunos. É um grande erro pensar que o tempo pertence somente a nós, os professores.” Ao planejarem as lições, os professores têm uma obrigação de se manterem dentro dos parâmetros do horário oficial, para o seu bem e a felicidade geral dos alunos. Naturalmente não se pode abordar, ensinar e aprender todo o material, mas parte do dever do professor se trata da “omissão seletiva,” ou seja selecionar, conforme a necessidade dos alunos e a inspiração que se recebe, os assuntos de maior destaque na aula. Também se deve levar em conta que é mais importante entender bem um princípio do que abranger todos eles. De modo geral uma corrida contra o relógio abrange mais material, mas se trata de uma forma inferior de aprendizagem para o aluno. Às vezes menos é mais. Considerem estes pontos:

• Na educação religiosa, esta não será a única vez que o aluno estudará a obra-padrão do curso atual. Ao longo da vida todos nós leremos os quatros livros-padrão muitas vezes. Diferentes princípios e doutrinas se destacarão cada vez que estudarmos, seja na sala de aula ou no estudo particular. Não é coerente pensarmos que a obrigação de ensinarmos tudo sobre uma passagem das escrituras recai sobre um só professor numa só aula.

• Existe entre o professor e o aluno um contrato tácito. Os professores geralmente querem dar início à aula na hora certa e querem que todos os alunos estejam presentes para começarem juntos. Por outro lado os alunos esperam que o professor termine na hora. Os estudantes têm outros deveres a cumprirem, outras aulas, emprego, estudo, atividades sociais e assim por diante. Quando o professor não cumpre sua parte, os estudantes ficam frustrados e um nível elevado de frustração não melhora o ambiente da sala de aula.

• O que fará que o professor ultrapasse a hora? Muitas vezes os professores dizem que perdem a noção do tempo, o que é compreensível. A solução simples é lembrar-se de que para controlar o tempo se tem que controlar o ritmo, algo que o professor precisa aprender a fazer. Outra razão que os professore dão para justificar o passar da hora é: A aula ia tão bem, ou, os alunos estavam tão enpenhados, que era difícil parar. Em quase todos estes casos, tenho observado que não eram os estudantes e sim, os professores que estavam empenhados em contar uma história ou em compartilhar ideias e sentimentos à classe. Quando o professor segura a classe depois de tocar a campainha só para continuar a falar, de modo geral a aula se torna unidirecional, uma forma ineficaz de ensino.

Abaixo estão cinco ideias para tornar o tempo seu aliado e não seu inimigo:
                1. Pensem em questões de pontualidade ao prepararem a sua aula. Perguntem a si mesmos algumas destas perguntas: Quanto tempo acho que essa discussão vai durar? Que perguntas a mais surgirão a partir desta pergunta principal? Quais são alguns dos pontos que espero que venham à mente dos alunos por meio dessa atividade? Quanto tempo precisamos no final da aula para permitir a aplicação eficaz? E talvez a pergunta mais importante: O que estamos realmente tentando fazer na aula de hoje, abranger uma grande quantidade de material, ou ajudar os alunos a realmente aprender alguns princípios e doutrinas importantes?

2. Façam-se cientes do tempo na aula. Aprendam a olhar regularmente para o relógio na parede ou a seu relógio de pulso. Façam algumas marcas visíveis em seu plano de aula dos tempos aproximados que você espera estar em determinados pontos. Fiquem cientes de onde vocês estão e onde vocês gostariam de estar.

3. Direcionem a discussão na sala de aula. Alguns alunos gostam de divagar e dominar o tempo. Aprendam a ajudá-los de forma mansa a resumir as coisas e serem mais concisos. Não tenham medo de dizer coisas tais como: "Vamos permitir apenas mais um comentário sobre esta questão, em seguida, seguiremos em frente." Cada classe parece ter alguns alunos que querem discutir mais o assunto e outros que já não prestam atenção. Cabe ao professor manter a maioria dos alunos envolvidos e interessados para que possam investigar e aprender mais ao fundo. Isso pode exigir que vocês sigam para a frente. Prosseguir às vezes se torna difícil quando os estudantes querem continuar a falar sobre determinado assunto. De modo geral, procuramos sempre mais participação por parte dos alunos e solicitamos mais comentários. Quando os alunos começam a participar, sentimos bem e nos parece contra-intuitivo pararem de fazer comentários sobre o assunto só para fins de seguir em frente. Mas se o Espírito estiver na sala de aula e os alunos estiverem envolvidos, podem ter certeza que ao dar proseguimento e reiniciar o processo de aprendizagem eles permanecerão envolvidos e começarão a ver as relações e conexões entre sua própria vida e uma grande variedade de passagens, princípios e doutrinas das escrituras.

4. Não façam comentários negativos sobre o tempo. Os estudantes raramente, ou nunca, sabem o quanto os professores acham que precisam realizar em um determinado período de tempo. Tornamos o tempo nosso inimigo quando somos escravos do relógio e logo dizemos isto à classe: "Olhem o relógio; nunca há tempo suficiente!" Estejam suficientemente cientes de onde vocês estão para que os estudantes tenham tempo suficiente para digerir o que estão aprendendo. Desta maneira vocês terão tempo suficiente para lançar-lhes desafios de fazerem mudanças positivas na vida, e tudo isso em tempo hábil. Anunciar a sua frustração com a falta de tempo só serve para passar essa frustração aos alunos. Eles não precisam saber e tais comentários não ajudam ninguém.

 5. Sejam sempre sensíveis aos sussurros do Espírito. Nossos melhores esforços no planejamento e programação das aulas precisam ser revistos quando, ao decorrer da lição, chegamos a um verdadeiro ponto de testemunho e poder. O Espírito nos dirá quando chegar este momento e nós deveremos aprender a responder da forma correta. Mas também haverá outros momentos em que o Espírito vai nos inspirar a prosseguir justamente para chegar a um desses pontos de testemunho e poder. O professor tem que possuir a coragem de levar a classe a este ponto, mesmo que tenha que passar menos tempo (ou até omitir) abordando outros assuntos.
              A situação ideal consiste em sermos capazes de criar na aula um ambiente seguro no qual os estudantes podem perguntar, responder, criar, testemunhar e arrepender-se, tudo dentro do tempo designado para a classe. Algumas aulas são de cinqüenta minutos, outras de noventa minutos e ainda outras de duas horas ou mais. O professor que aprende a fazer o que o Espírito ordenar dentro do prazo estipulado não só cria o ambiente "tranquilo" de que o Élder Holland falou, mas também honra o tempo e a agência dos alunos, assim edificando-os. Quanto mais eles se sentem edificados, mais fácil se torna ajudá-los a aprender.

 

Nota



[1]{C}  Jeffrey R. Holland, “Teaching and Learning in the Church,” Ensign, June 2007, 91.